Blog BR+

HANS STADEN – Autoridade sobre o Brasil?

03/05/2018 Vanete Santana-Dezmann Raízes Culturais

HANS STADEN – AUTORIDADE SOBRE O BRASIL? 

“À entrada de uma certa cidade erguia-se um grupo de mármore, que representava um homem vencendo na luta ao leão. Passa um leão, contempla aquilo e diz: Muito diferente seria essa estátua se os leões fossem escultores!” (Monteiro Lobato) 

 

 

Até recentemente, parece ter sido natural a representação das culturas de regiões periféricas como um refletor das ideias forjadas no centro da cultura ocidental, a Europa. Assim, o que foi produzido pelos europeus sobre a América Latina tem sido considerado verdade absoluta. Um bom exemplo é a imagem sobre o Brasil criada por Hans Staden em seu livro publicado em Malburg em 1557 sob o título “História verídica e descrição de uma terra de selvagens, nus e cruéis comedores de seres humanos, situada no Novo Mundo da América, desconhecida antes e depois de Jesus Cristo nas terras de Hessen até os dois últimos anos, visto que Hans Staden, de Homberg, em Hessen, a conheceu por experiência própria, e que agora traz a público com essa impressão”*.  

Staden disseminou, na arte e na literatura, a imagem de um Brasil selvagem, povoado por índios canibais, dos quais conseguiu se libertar de forma heroica. Mas quem era Hans Staden e quais foram seus feitos?  

Staden era um jovem de vinte e poucos anos quando resolveu conhecer as Índias Orientais. Isto foi em 1547, durante o período áureo despertado pelas grandes navegações e pela exploração do Novo Mundo. Suas aventuras, porém, tiveram início antes mesmo de deixar o continente europeu, como faz questão de frisar enquanto uma identidade heroica é construída para si. De Homberg, sua cidade natal, ele viajou para Bremen e de lá para Kampen, nos Países Baixos, de onde embarcou em um navio mercante com destino a Setúbal, em Portugal, seguindo para Lisboa, onde pretendia se juntar à tripulação de algum outro navio que fosse para as Índias Orientais – a atual Índia. Como não restava nenhum, embarcou para a colônia portuguesa das Índias Ocidentais – o atual Brasil – como artilheiro no navio do Capitão Penteado – um misto de navio mercante e de guerra –, partindo de Lisboa em junho de 1548. 

O navio foi abastecido na Ilha da Madeira e depois se dirigiu a Marrocos. Lá capturou um navio mercante mouro e retornou à Madeira para deixar as mercadorias apreendidas. Depois foi para Olinda, onde pretendia deixar alguns prisioneiros e mercadorias para abastecer os colonos. No entanto, no momento em que chegou a Olinda, os caetés haviam sitiado o povoado vizinho, Igaraçu, e alguns homens do Capitão Penteado foram requisitados para lutar ao lado dos portugueses do povoado – Staden se encontrava entre eles. Quando, pouco depois, o cerco chegou ao fim, o capitão e sua tripulação seguiram para a Paraíba, onde atacaram um navio francês que estava sendo carregado com pau-brasil. Em seguida, rumaram para Portugal, chegando em Lisboa em outubro de 1549. 

A segunda viagem começou em San Lúcar de Barrameda, na Espanha, em 10 de abril de 1550, quando Staden se engajou na Expedição Sanábria, organizada pelo lugar-tenente Don Diogo de Sanábria, integrada por três navios. Parte da expedição se destinava a Santa Catarina, que, de acordo com o Tratado de Tordesilhas, pertencia à Espanha, e outra parte seguiria para o Rio da Prata, também em terras espanholas. 

No final de 1550, o navio em que Staden se encontrava chegou a Santa Catarina, mas o segundo navio só chegou algumas semanas depois, bastante avariado, e o terceiro se perdeu em alto-mar. Restava, pois, apenas o navio em que Staden se encontrava. Após quase um ano vivendo naquela região, os exploradores resolveram ir para Viaçá (atual Porto de Patos). Uma vez em terra firme, este navio também sofreu avarias. Então a expedição resolveu se dividir em dois grupos – um iria por terra até Assunção e outro iria por mar até São Vicente, onde esperava conseguir embarcação apropriada para seguir viagem para o Rio da Prata. Construíram um pequeno navio e nele embarcaram, partindo em 1552. Staden fazia parte deste segundo grupo e foi a bordo do navio improvisado que ele se aproximou do povoado de Itanhaém, três dias após o início da viagem. Uma tempestade, porém, levou o navio a naufragar e, assim, Staden e os demais tiveram que alcançar a terra a nado. 

Quando as autoridades de São Vicente souberam do naufrágio, enviaram um navio para buscá-los. Posteriormente, Staden foi para Bertioga e acabou sendo empregado como artilheiro do Forte de São Felipe, que ficava na Ilha de Santo Amaro. Segundo afirma, ninguém se arriscava a trabalhar lá, pois todos temiam os constantes ataques dos tupinambás. O caro leitor deve presumir, então, que Staden era muito corajoso, pois contava com o auxílio de apenas um carijó e dois portugueses e, mesmo assim, se passaram mais de três anos até que fosse capturado – provavelmente no fim de 1553 ou início de 1554. Debalde os portugueses e seus aliados, os tupiniquins, tentaram resgatá-lo. Fora levado para Ubatuba. 

De acordo com sua própria narração, Staden se passara por francês para não ser tratado como inimigo pelos tupinambás, que eram aliados dos franceses. Isto o manteve fora de perigo por algum tempo. A chegada de uma pequena expedição de resgate, junto à qual se achavam alguns de seus companheiros de naufrágio, contribuiu para a manutenção da farsa – como um deles era francês, Staden inventou que eram irmãos e, afirmando que os portugueses do navio o mantinham como prisioneiro, disse aos tupinambás que pediria a seu irmão que, assim que fugisse, fosse à França, conseguisse um bom resgate e retornasse para buscá-lo. Assim, os tupinambás concordaram em mantê-lo vivo até que o resgate chegasse. 

Staden foi poupado, portanto, não graças a sua coragem. Obviamente, seu falso irmão francês jamais retornou e, com suas inúmeras demonstrações de covardia enquanto vivia na tribo, teve seu valor depreciado pelos índios, que provavelmente já não se disporiam a se alimentar com sua carne, segundo suas crenças, impregnada com características morais que não desejavam para si. 

No entanto, uma vez que aquele jovem aventureiro afirmou estar contando a verdadeira história de um país de selvagens nus e canibais chamado Brasil, não só a região à qual se referia (uma pequena parte do atual litoral paulista habitada pela tribo Tupinambá no século XVI), mas todo o país que aquela pequena parte viria a compor, passou a ser representado como uma terra exótica, onde cobras e selvagens enfeitados com penas se misturam pelas ruas, sem se levar em conta que o objeto das observações de Staden de modo algum condiz com o que chamamos Brasil – este é o principal ponto a se observar. Outro ponto, periférico, porquanto a figura histórica Hans Staden incontestavelmente existe, é sua existência concreta – será que Hans Staden realmente existiu? Teria sido ele um personagem criado pelo médico Johannes Dryander? Seria este o verdadeiro autor do famoso livro? 

Há muito mais sobre o tema em “Hy Brasil”, meu próximo lançamento. 

* Título original: „Warhafftige Historia vnnd Beschreibung einer Landtschafft der Wilden Nacketen Grimmigen Menschfresser Leuthen/in der Newen Welt America gelegen vor vnd nach Christi geburt im Land zu Hessen vnbekant bisz auff diese lj. nechst vergangen jar Da sie Hans Staden von Homberg ausz Hessen durch sein eygene erfarung erkant vnd jetzt durch den truck an tag gibt“

 

Crédito Imagem: Fotos V.S-Dezmann/ Livro: Portinari devora Hans Staden

#
Vanete Santana-Dezmann

Profissional da área de ensino e pesquisa com 25 anos de experiência. Tem licenciatura e bacharelado em Letras, e mestrado e doutorado em Teorias de Tradução, pela UNICAMP, com estágio de pesquisa na Universidade Livre de Berlim. Tem pós-doutorado em Estudos da Tradução pela USP, com estágio de pesquisa no Museu Goethe de Düsseldorf. De seu currículo fazem parte dezenas de artigos científicos, livros e palestras.