Blog BR+

O FANTÁSTICO PARQUE DE ESCULTURAS DE FRANCISCO BRENNAND

28/02/2020 Larissa da Costa Arte e Música

#

Arcadas do Templo Central. Oficina Brennand.  (Reprodução/ Divulgação Site Oficial).

 

De uma família tradicional do Recife, Pernambuco, Francisco de Paula Coimbra de Almeida Brennand nasceu em 11 de junho de 1927 e faleceu em dezembro de 2019, aos 92 anos. Como ceramista, escultor, desenhista, pintor, tapeceiro, ilustrador e gravador, deixou uma obra imensurável e é considerado um dos artistas plásticos mais importantes da história contemporânea.

Desde muito cedo, seu talento é revelado nas caricaturas de professores e colegas. Em 1945, Ariano Suassuna, então colega de classe, convida-o para ilustrar os poemas que ele publicava no Jornal Literário do colégio, por ele organizado.

 

Francisco Brennand.  (Reprodução/ Divulgação Site Oficial).

 

No início da carreira, é orientado em pintura pelo pintor e restaurador Álvaro Amorim, um dos fundadores da Escola de Belas Artes de Pernambuco, que havia sido contratado para restaurar a coleção do historiador João Peretti, que seu pai havia adquirido. No fim dos anos 1940, pinta principalmente naturezas-mortas, realizadas com grande simplificação das formas.

Em 1947, recebeu o primeiro prêmio de pintura do Salão de Arte do Museu do estado de Pernambuco, com o quadro de uma paisagem inspirada no engenho São João, intitulado Segunda Visão da Terra. No ano seguinte, novamente é agraciado com o primeiro prêmio e uma menção honrosa por seu Auto-Retrato como Cardeal Inquisidor, inspirado no retrato do cardeal inquisidor, Dom Fernando Niño de Guevara, de El Greco.

É incentivado pelo pintor pernambucano Cícero Dias, que então residia em Paris, a mudar-se para a capital francesa para aprimorar e inspirar a sua arte e obra. Para issoFrancisco Brennand convence a sua então namorada Deborah de Moura Vasconcelos a desistir da faculdade de direito, casar-se com ele a acompanhá-lo na aventura internacional. No final de 1948, casam-se e, em fevereiro de 1949, embarcam para Parisinstalando-se no Hôtel Montalambert, onde se hospedavam regularmente muitos intelectuais e artistas. Relaciona-se, então, com o artista plástico e escritor Almada Negreiros, amigo de Fernando Pessoa, o poeta surrealista René Char eainda, o pintor e desenhista cubista Fernand Léger.

Em Paris, conhece obras de Pablo Picasso e Joán Miró e descobre, na cerâmica, seu principal meio de expressão. A partir de então, desenvolve e aperfeiçoa a técnica do trabalho em cerâmica e trabalha não só com a forma, mas também com a cor, obtendo uma extensa gama de tonalidades por meio das variações de temperatura que influem sobre os pigmentos durante a queima das peças.

As esculturas de Brennand apresentam particularidades de totens ou se relacionam a signos da tradição popular. Em muitas obras, veem-se criaturas aterradoras, monstros, seres deformados ou que revelam um caráter trágico. Algumas esculturas estão ligadas a rituais de fertilidade, de culturas arcaicas, de traços fortemente sexuais. Produz figuras que frequentemente têm um aspecto dramático e infeliz, cuja estranheza é acentuada pelo acabamento propositadamente rude.

 

 

Arte Cerâmica. Oficina Brennand  (Reprodução/ Divulgação Site Oficial).

 

Em 1971,  inaugura a Oficina Brennand, um complexo de esculturas formado sobre as ruínas de uma antiga olaria fundada em 1917 por seu pai e em desuso desde 1945. Lá, ergue seu ateliê, aproveitando as estruturas com algumas adaptações. O local, que totaliza 15 mil metros quadrados de área construída, é cercado pela Mata Atlântica e pelo Rio Capibaribe. São dezenas de esculturas gigantes em cerâmica e outros materiais, que, ao longo dos anos, vão se modificando, graças à produção e engenhosidade de seu criador. Na galeria batizada de Accademia, estão, entre outras obras, várias da coleção do próprio Brennand. No Salão de Esculturas, o destaque é Leda e o Cisne.

Hoje, o local é um ponto turístico importante da cidade do Recife. Abriga mais de 2 mil peças do artista, possui um jardim cujo traçado é de Roberto Burle Marx, uma loja, a Bibliopolion, onde podem ser encontrados livros sobre o artista, peças cerâmicas, cartões-postais, serigrafias e uma lanchonete chamada Cantina dos Deuses. 

Mas não somente na Oficina Francisco Brennand são encontradas obras do artista.  Elas também estão espalhadas no centro histórico, bem como no Porto do Recife, onde fica o Parque das Esculturas, construído em 2000. Um obelisco de 32 metros de altura se destaca na paisagem. É a Torre de Cristal, inspirada em uma flor descoberta pelo paisagista Roberto Burle Marx. Ao todo, são 90 peças em homenagem aos 500 anos do descobrimento do Brasil e formando um dos cartões-postais da capital pernambucana.

Entre as inúmeras exposições do trabalho de Brennand no país, sua obra é também reconhecida internacionalmente. Destacamosentre elas, as exposições individuais de 

1976em Washington (Estados Unidos) – Desenhos e Cerâmica de Francisco Brennand, na Association of The Inter-American Development;

1989em Londres (Inglaterra) – no Royal Festival Hall, localizado em The South Bank Center;

1993em Berlim (Alemanha) – Pinturas e Cerâmicas, no Museu Staatliche Kunsthalle Berlin.

Além disso, desde os anos 1990, são lançados vários vídeos sobre sua obra, entre eles, Francisco Brennand: Oficina de Mitos, pela Rede Sesc/Senac de Televisão, em 2000.

A Oficina Brennand fica na Propriedade Santos Cosme e Damião, à Rua Diogo de Vasconcelos, s/n, Várzea, Recife/Pernambuco, telefone: 0055 81 3271-2466. Os dias e horários de visita são de segunda a quinta-feira, das 8 às 17 horas; sexta-feira, das 8 às 16 horas; e sábado e domingo, das 10 às 16 horas.

#
Larissa da Costa

Nascida em Porto Alegre e criada em Vacaria, na Serra Gaúcha, herdou dos seus pais a vontade de viajar. Advogada de formação, escritora de coração, aventureira por emoção, veio para a Europa em 2001 em busca de novos desafios e de seu lugar no mundo. Mãe de duas crianças, já trabalhou em diferentes áreas. Atualmente, escreve no seu blog Brasanha e em três outros, além de ser colaboradora no projeto Carlotas.